sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Sabão "perfeito" é origem vegetal e polui menos! Meio Ambiente Técnico


Eis um grande ponto a ser eternamente debatido. O uso de produtos de limpeza, detergente e sabões, entre outros, é SEMPRE de modo exagerado, como se a quantidade substituísse o trabalho manual de esfregar e efetivamente limpar. Vemos pessoas usando detergente para lavar pratos de modo exagerado. Isso contribui para a poluição de rios e mananciais de água. Que depois será bebida. Para lavar pratos, por exemplo, não custa usar um pedaço de papel descartável e tirar a gordura e restos de comida. Enfim tirar o grosso. Depois com pouco detergente se lavaria tudo. As pessoas fazem o oposto. Colocam “meio litro” de detergente para lavar 2 pratos cheios de gordura e restos. Isso acontece com lavagem de roupas, limpeza de pisos, de vidros etc.etc. - IGNORÂNCIA e PREGUIÇA, logico que aqui usamos um pouco de exageros. Mas como mudar a cabeça de milhões de ignorantes que julgam saber tudo?
Sabão vegetal - Químicos sintetizaram uma nova molécula de sabão que eles batizaram de "sabão perfeito".
O composto é feito a partir de fontes renováveis, o que permitirá reduzir drasticamente o número de produtos químicos em produtos de higiene e limpeza, diminuindo seu impacto sobre o meio ambiente.
O sabão também funcionou melhor do que os sabões comerciais em condições difíceis, como sob água fria e água dura - água dura é aquela que possui sais de cálcio, magnésio e ferro, que são insolúveis em água e reagem com os sabões, produzindo compostos insolúveis.
"Esta pesquisa pode ter um grande impacto sobre a indústria multibilionária dos produtos de limpeza," prevê o professor Paul Dauenhauer, da Universidade de Minnesota, nos EUA.
Soja, coco e milho - Os sabões e detergentes convencionais são vistos como prejudiciais ao meio ambiente porque são feitos a partir de combustíveis fósseis. Quando entram na formulação de xampus, sabonetes ou detergentes, esses sabões são misturados com inúmeros outros compostos químicos que acabam indo pelo ralo.
A equipe desenvolveu um processo químico que consegue combinar os ácidos graxos da soja ou do coco com anéis derivados de açúcares do milho, formando uma molécula surfactante renovável chamada óleo-furano-tensoativo.
O sabão de origem vegetal também forma partículas - chamadas micelas - necessárias para a limpeza mesmo em baixas concentrações, o que reduzirá o impacto ambiental dos produtos de limpeza, garantem os pesquisadores.
A equipe patenteou o processo de fabricação do sabão e já está licenciando a tecnologia para uma empresa privada. 
Fonte-http://meioambientetecnico.blogspot.com.br/ ( Fonte: Site Inovação Tecnologica)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores